Translate

quarta-feira, 17 de agosto de 2016


Guardo em mim demasiadas vontades.
Anseio por realizar todos os meus sonhos
Ambiciono descobrir todo o tipo de liberdades.
Demasiados desejos para ter dias risonhos…

Tenho a chamada da vida em espera,
Porque agora não é conveniente viver.
Tenho pelo menos mais uma era
Pela frente até poder nascer.

Sinto-me prisioneira no meu lar,
É isso que este lugar devia ser!
Não tenho grades na janela mas não a posso trespassar.
O muro não tem arame farpado,
Mas na minha mente consigo-o ver.
Ás vezes penso: será para sempre este o meu fado?
Se assim é, prefiro morrer.

Guardo em mim demasiadas vontades.
Anseio por realizar todos os meus sonhos
Ambiciono descobrir todo o tipo de liberdades.
Demasiados desejos para ter dias risonhos…

Tenho a chamada da vida em espera,
Porque agora não é conveniente viver.
Tenho pelo menos mais uma era
Pela frente até poder nascer.

Sinto-me prisioneira no meu lar,
É isso que este lugar devia ser!
Não tenho grades na janela mas não a posso trespassar.
O muro não tem arame farpado,
Mas na minha mente consigo-o ver.
As vezes penso: será é para sempre
este o meu fado?
Se assim é, prefiro morrer.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Ver-me-às Partir, Minha Querida África

As minhas lágrimas são tantas que a imagem que vejo está completamente distorcida. Sei que partes nesse barco que já mal consigo ver… Para onde te levam meu amor? E eu fico aqui presa à espera do próximo barco. Será que vamos os dois para o mesmo sítio só que em navios diferentes?
Que estupidez é esta de me dizerem que me podem vender por um pouco de lata velha só porque nunca tinham visto pessoas da nossa cor? Porque o Deus deles diz que não somos gente? Mas eu sei que sou gente porque sinto o meu coração e é por ter coração que choro, é por ter coração que não aguento ver esse barco a virar a linha do horizonte!
Meu amor, se consegues ouvir esta súplica liberta-te das tuas amarras e vem ter comigo… Salta desse barco e nada até mim!  És bom nadador, tu consegues cá chegar…
O pânico começa infiltrar-se no meu ser, meu amor, vem salvar-me, já os ouço no corredor… Tu sabes o que eles me vêm fazer, vêm para me violar. Por favor, salta desse barco, eu quero ver-te saltar antes de eles chegarem…
Porém, já é tarde demais, já abriram a minha cela e agora iram dilacerar a minha alma…
Sou só mais uma preta qualquer que eles podem usar.

domingo, 24 de julho de 2016

Equilibrar-me com o Mundo

De há uns anos para cá, quando comecei a aperceber-me do esgotamento a que chegou o nosso planeta, em termos de recursos e níveis de poluição, fiquei extremamente preocupada! O que eu posso fazer para ensinar os outros aquilo que sei? Como posso fazer o mundo mudar? E a verdade é que não posso fazer nada… Eu não posso mudar os outros, nem ensina-los se não quiserem aprender, as pessoas simplesmente não se preocupam com isso e penso que seja um pouco estupidez, porque não acreditam nos factos quando eles lhes chovem em cima!
Um exemplo, sigo um site que é o 9gag onde há pessoas de todo o mundo a queixar-se de como nos seus países os termómetros estão a atingir temperaturas recorde e que não conseguem aguentar tais temperaturas, contudo em Portugal tem si
do o verão, mais ou menos dentro do normal. Onde é que eu quero chegar com isto: nem sempre sentimos os efeitos do aquecimento global no pequeno espaço em que vivemos e por isso devemos ver a terra como um todo.
Voltam ao que interessa, eu queria mudar o mundo! E ainda quero! Mas sei que não posso mudar 7 biliões de formas de pensar, por isso tenho mudado a minha aos poucos, tenho vários objetivos que tenho tentado cumprir para diminuir o impacto ambiental que a minha vida causa no mundo e por isso, de vez em quando vou partilhar no blog o que mudei em mim, nas coisas que uso, nas coisas que faço e as coisas que obriguei a minha família a fazer!

Espero que gostem e que me ajudem a mudar todos os dias mais um bocadinho!