Translate

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Um Mundo ao Contrário

Vivo num mundo ao contrário.
Muito diferente do teu mundo ordinário!
Vivo no sítio onde o chão é o céu,
E nos casamentos, o noivo vai de véu!

Vivo onde as cores da pele são seis:
Roxo, azul, verde, amarelo, laranja e vermelho.
Não existem presidentes, nem reis,
E ninguém rouba o que é alheio.

Plantamos árvores, invés de as cortar.
Salvamos o mundo, invés de o matar.
A gravidade só existe nos corações,
E o dinheiro nada vale perante as emoções.

O meu mundo é quase prefeito,
Só tem um pequeno defeito.
Que é não ser de verdade!
Mas pode vir a ser, quem sabe?

Este foi o segundo poema que envie para concorrer à antologia "Mundo da Lua". (Ainda hoje não sei qual dos poemas foi selecionado porque ainda não tive oportunidade financeira para comprar o livro, mas penso que tenha sido o outro poema (o que postei ontem) que ganhou). Este poema é dedicado à minha irmã mais velha...

6 comentários:

  1. Foi este o seleccionado, mas podia ser o outro!

    (acho que a editora te devia oferecer um livro, ele vale por ti)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um tenho esperança de um dia mais tarde poder comprar... Mas por agora, não tenho qualquer possibilidade. (Mas ando a poupar.)
      Este é um poema bem alegre!

      Eliminar
  2. Nunca deixes de sonhar...afinal a terra é redonda!
    Beijinho com carinho e admiração.

    Cristina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E Marte é um novo mundo a descobrir. Mas para o meu sonho se realizar seria necessário começar toda a civilização do zero, mas com os conhecimentos que temos hoje.

      Eliminar