Translate

terça-feira, 9 de junho de 2015

O Senhor está a ouvir-me?

E um dia no meio da confusão disse aquilo que nunca deveria ter dito…
Deveria ter escondido em mim esta ideia que me desgraça…
Como pude eu ser tão descuidada? O que me acontecerá agora?
Além de renegar ao rotativismo e ao poder dos ricos, ainda o disse em público, com certeza que serei presa, torturada… E a minha família irá comigo! Eu desgracei a minha família!
Aí de mim que desgracei-me e levei a minha família comigo!
Senhor… Só o Senhor sabe quem está correto e errado, ajude-me a ver a realidade, não me conformo com o facto de ser castigada por algo em que acredito. Senhor, se eu estiver errada dê-me um sinal e eu aceito o meu castigo, mas se não estiver, ajude-me! Ajude-me a salvar a minha família!
Eu fiz o que os seus mandamentos diziam, partilhei o meu pão com mais precisava, mas o Senhor não obriga aquele que mais tem a dar migalhas a quem nada tem… Porquê? Porque é que o Senhor não tornou o mundo justo? Se o tivesse feito, eu não teria abraçado esta minha ideia! Não a teria entregado nas mãos de quem acredita que assim as coisas não estão bem e que por bem menos matamos dois reis!
E de que lado está o senhor? Eu acredito que esteja do meu! Porque se os seus mandamentos mandam ser verdadeiro, honrado e justo, então está do meu lado! Só se, como tudo o resto, os seus mandamentos são só para os pobres, sabe porquê? Porque só os pobres tem de pagar as suas dívidas, só os pobres é que vão presos e só os pobres é que trabalham e nem pão têm para comer… Enquanto isso, o outro lado empanturra-se com caviar que comprou com o dinheiro que extorquiu de um pobre.
Se acha que este mundo é feito à sua imagem, digo-lhe já que o Senhor deve ser muito feio!
Tudo o que eu disse até agora está mau, mas comparado com outras coisas, ainda está muito bom… Porque Senhor, como pode permitir que um dos seus homens abuse de uma criança? Como Senhor? Como pode permitir que as mulheres fiquem por aí a amaldiçoar a guerra ou o mar ou seja lá o que for? Como pode levar para perto de si as pessoas que nunca fizeram mal a ninguém e só depois levar as que toda a gente queria que morresse?
Sabe Senhor, sabe o que eu disse? Eu disse “acredito nas ideias comunistas”, aquelas pessoas olharam-me com desprezo e colocaram-me à margem da sociedade…
Parece que eu, que penso fora da caixa mereço morrer, mas aquele que matou, abusou ou escravizou alguém merece ter tudo a seus pés e pode continuar a fazer tudo o que tem feito…
O Senhor não existe, pois não? Se existesse seria impensável que permitisse e compactuasse com tudo isto...

2 comentários:

  1. Ponto um: o Senhor existe mas é surdo que nem uma porta
    Ponto dois: e também é cego pois mudo já o sabemos
    Ponto três: não és tu a marginalizada, são eles os marginais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Senhor só saberei se existe se depois de morrer o conhecer e a situação não foi tão dramática quanto o que descrevi mas aconteceu. Estava eu no balneares da escola e de repente aparece a conversa da politica (as raparigas com quem falei nem minhas amigas eram, mas eram minhas colegas de turma) e é normal conversar sobre alguma coisa... E assim que eu disse que gostava das ideias comunistas abriram-me os olhos e a boca (em sinal de espanto) e depois explicaram-me como a coligação PSD-CDS é que era bom... Enfim, eu na minha mais humilde posição ouvi e calei, não me senti com conhecimentos suficientes para as refutar (apesar dos seus argumentos serem na maioria falácias).

      Eliminar