Translate

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Carta a Quem Já Não Conheço

Lembra-se da primeira vez que tocamos olhares? Da primeira vez que lhe lancei o meu sorriso mais amarelo? Da primeira vez que o desafiei?
Eu lembro-me perfeitamente das minhas palavras. Lembra-se das suas? Eu não! Só me lembro dessa cara de porco, que parece atirar-se a tudo o que mexe. Só me lembro da crueldade dos seus atos!
Só me lembro que a partir daquele momento, em que não consegui emendar um comentário menos correto, o seu olhar sempre que encontrava o meu parecia arder de fúria. Não descansou enquanto não me esmagou os sonhos, tornando-o em pó de estrela… Ainda bem que consegui que não me levasse tudo!
Esmagou-me os sonhos, arruinou-me o futuro e a mente, mas não conseguiu arrancar o meu coração do interior da minha caixa torácica com as suas palavras sujas de lama!
Eu não me esqueço daquelas palavras! Eu não me esqueço das palavras que me lançou no dia em que tentou colocar fim àquilo a que dou mais valor na vida! Não me esqueço e não perdoou!

Sem comentários:

Enviar um comentário